Portal da Transparência Acesso à Informação Assista Sessão ao Vivo Estrutura Organizacional Atas das Sessões Pauta próxima Sessão Fornecedores Regimento Interno Plano Diretor Ouvidoria

historia

Fachada da Câmara Municipal Fachada da Câmara Municipal

A região onde se encontra o Município de Fartura, foi habitada nos antigos tempos pelos índios Caiuás, da família Tupi-Guarani. Por toda parte, nos municípios vizinhos, encontra-se ainda hoje, objetos de pedra de uso dos selvívolas, como bacias, mão de pilão, machados (itajes) e outros de uso diversos. Sendo as matas luxuriamente, formadas em ótimas terras roxas, nelas abundância de caça e frutas de toda espécie, motivo porque da serra vertia para o Ribeirão, tinha a denominação de "Fartura".

O pai de Manoel José Viana, Remígio José Viana era proprietário das terras onde se encontra hoje a cidade, e havia prometido doá-las à Nossa Senhoras das Dores para no local ser construída uma igreja. Os moradores construíram no local um cruzeiro de madeira onde aos domingos e dias santos iam rezar. Em 1880 começaram a construção da Capela Nossa Senhora das Dores, com a ajuda de Luiz Ribeiro Salgado e Vicente Trindade, terminando-a em 1887. Lavrada em cartório a doação das terras em 1885, por Manoel Remígio Viana, o pequeno povoado cresceu e transformou-se em Município em 31 de março de 1891.

Já em 1.897 era um povoado e contava com a primeira padaria dos senhores Batista e Gabriel Bertoni.

No ano de 1.904 estava funcionando uma fábrica de cerveja e gasosa do Sr. José Adriani.

Em 1.906 chegava a primeira professora leiga, Dona Ines Pereira e o Professor (este já formado) Odilon de Barros.

No ano de 1.907 chegava, com muita festa, a primeira carroça do Sr. Bianchi. Neste mesmo ano funcionava o primeiro cinema de Emílio Del Cistia, na casa de Nicolau Bruno, onde é a antiga rodoviária.

No ano de 1.908, Fartura tinha o seu primeiro telefone em telefônica criada por Joaquim Garcia e Coronel Marcos Ribeiro.

No ano de 1.911, Fartura já tinha 02 Grupos Escolares: um masculino (que funcionava onde é a residência do Sr. Luiz Prestes) e outro feminino (onde foi a residência do Senhor Conrado Blanco).

Em 1.912, a primeira fábrica de gelo de Martins Teixeira.